11 de jul de 2010

CORAÇÃO CARIMBADO

Teus dedos falam mais
que o teu olhar e
mais alto que tua voz.
Sinto tua mão deslizando
pelo meu coração...
Carimbando aquelas palavras mágicas
que tanto queria sentir.
Supremo amor que aquece,
que faz minha alma flutuar
pelo espaço, sem sentir
o vento, o frio ou mesmo
a escuridão.

Tu és o meu sábio celestial...
Tens o dom divino de transformar
momentos em brotos de felicidade.

(Marcos Ernani)

"Deveríamos ser sensíveis como as crianças,
que sentem alegria nas pequenas coisas..."


Adeus,


que é tempo de marear!



Por que procuram pelos olhos meus

rastros de choro,

direções de olhar?



Quem fala em praias de cristal e de ouro,

abrindo estrelas nos aléns do mar?

Quem pensa num desembarcadouro?

- É hora, apenas, de marear.



Quem chama o sol? Mas quem procura o vento?

e âncora? e bússola? e rumo e lugar?

Quem levanta do esquecimento

esses fantasmas de perguntar?



Lenço de adeuses já perdi...Por onde?

- na terra, andando, e só de tanto andar...

Não faz mal. Que ninguém responde

a um lenço movido no ar...



Perdi meu lenço e meu passaporte

- senhas inúteis de ir e chegar.

Quem lembra a fala da ausência

num mundo sem correspondência?



Viajante da sorte na barca da sorte,

sem vida nem morte...



Adeus,

que é tempo de marear!



CECÍLIA MEIRELES